Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

tra la lan

Conversas de linhas e alinhavos, fogo baixo e ervas do campo... saberes de antes com sentido no mundo de agora. Da auto-suficiência à simplicidade voluntária, saber fazer e viver de raiz.

tra la lan

Conversas de linhas e alinhavos, fogo baixo e ervas do campo... saberes de antes com sentido no mundo de agora. Da auto-suficiência à simplicidade voluntária, saber fazer e viver de raiz.

Sab | 20.06.20

As "alcaparras dos pobres"

Sassão

Hoje é dia de comer as ervas dos caminhos!

Dia 18 de Junho foi o Dia da Gastronomia Sustentável, mas aqui celebra-se hoje. 

Fui passear à Quinta dos Ingleses, em Carcavelos e colhi sementes de capuchinhas. 

Deixo-vos aqui, então, a receita das "alcaparras do pobres" que é o nome que dão os ingleses, desde tempos antigos, às sementes de capuchinhas conservadas em vinagre, isto é, em "pickles". 

"Capuchinhas", a que na terra da minha mãe chamavam "chagas", nome porque sempre as conheci, são uma planta comestível usada desde há séculos e com muita vitamina C. 

Podemos usar as flores, as folhas... mas esta receita é para aproveitar as sementes. 

Conheci esta receita através de uma vizinha inglesa que veio viver a sua reforma para a minha rua. Vi-a uma vez a colher as sementes (cresciam livremente por ali) e quando lhe perguntei se as ia semear... respondeu-me que as ia comer! E que no país dela se comiam, pelo menos, desde o séc. XVII. 

Sendo uma receita muito antiga, há muitas variações, deixo algumas delas.

Começando pela apanha: devemos evitar as sementes que já estão a ficar secas e apresentam já um acastanhado. Estas serão mais duras e menos saborosas. Devemos optar pelas mais pequenas e viçosas. 


Após a colheita, lavamo-las bem em água corrente e deixamos de molho, num recipiente aberto durante 1 ou 2 dias em água salgada: 500ml de água e 50gr de sal. Pode-se juntar uma folha de louro

Cobrir o frasco com um plástico, ou colocar algo lá dentro de maneira a que as sementes fiquem todas cobertas. O cheiro que se pode começar a sentir é o processo de fermentação. No fim deste tempo, enxaguam-se.

A seguir, há pessoas que dão uma breve cozedura (2-3 minutos), o que eu não faço, pois tira-lhes algum sabor, ficam mais suaves. 

Seguidamente, há que colocar as sementes num frasco esterilizado (como qualquer conserva) e cobri-las com vinagre a ferver (de cidra, de vinho branco... eu também costumo usar de kombucha) aromatizado com ervas e especiarias

Há uma variante que eu uso: leva-se o vinagre com açúcar ao lume, deixa-se ferver por um minuto e cobrem-se as sementes. As proporções são de 150ml de vinagre para uma colher e chá de açúcar. 

A este vinagre podemos acrescentar as ervas e sementes que quisermos. Devemos é ter o cuidado de usar ervas secas, ou desfazem-se. 

Assim, podemos usar grãos de mostarda, pimenta, cravinho, alecrim, louro, oregãos, tomilho...

Após estarem cobertas, guardam-se num local fresco e seco por, pelo menos, 3 semanas, após o que se abrem e colocam no frigorífico. 

Como gosto muito de alcaparras, também gosto muito destas sementes. E não custam nada a fazer, difícil mesmo é esperar que estejam no ponto! 

5CADA6E5-A903-42A0-91DE-BFDA0D5765C9.jpeg